Paris: dicas de viagem na cidade-luz

Desperta o interesse por todo o mundo por ser conhecida como a cidade do amor, é o palco de muitos pedidos de casamento e uma das cidades mais visitadas.

A capital francesa é um símbolo do glamour e o centro mundial da arte, moda, gastronomia e cultura.

Há quem diga que Paris é chamada de “cidade luz” pois foi a primeira cidade a iluminar à noite os seus edifícios e ruas, mas para muitos o nome surgiu por ser o berço do iluminismo no século IX, representado pelos pensadores, filósofos e artistas de diversas áreas que eram considerados mentes iluminadas e que se mudavam para Paris por se sentirem mais inspirados.

Não digo que se mude para Paris, mas com este artigo espero que se sinta mais inspirado para a visitar mesmo que o seu objetivo não seja respirar o amor pelas suas ruas.

Quando ir

O clima de Paris é continental e caracteriza-se por verões muito quentes e invernos muito frios.

No verão, as altas temperaturas associadas à humidade poderão incomodar e condicionar a visita. No inverno, as temperaturas podem chegar a ser negativas, mas não muito rigorosas e há probabilidade de nevar.

As chuvas são frequentes ao longo do ano, embora a probabilidade seja menor no verão e maior no inverno, por isso, talvez uma boa época para visitar Paris seja o final da primavera e o início do Outono.

Acertar no tempo é como jogar no euromilhões, então em caso de dúvida não hesite em ir. Visitámos Paris em meados de Novembro e tivemos a sorte de apanhar dias de sol, temperaturas amenas durante o dia e mais frescas à noite.

Como chegar

A forma mais comum e a mais rápida para chegar a Paris é de avião. Por vezes, poderá ser a forma mais económica pois há voos muito baratos graças às companhias low-cost.  

Paris tem 3 aeroportos recomendáveis: Aeroporto Charles de Gaulle, o principal; Aeroporto de Orly, o segundo mais importante; e o Aeroporto de Beauvais, o mais pequeno e distante. 

A nossa experiência passa pelo aeroporto de Beauvais, através da Ryanair. Apesar deste aeroporto ficar distanciado 85km do centro de Paris, os preços dos voos desta companhia aérea podem compensar e muito.  

Se ponderar comprar o bilhete de avião para Paris Beauvais, terá que ter em consideração que é necessário um transporte desde o aeroporto de Beauvais até ao centro de Paris, sendo o meio mais económico o autocarro (15€ por trajeto). Somando este valor ao preço do voo já tem uma noção se compensa ou não viajar pela Ryanair. No nosso caso, os 39€ que pagámos pelos voos de ida e volta foram imbatíveis. 

Por vezes, é possível arranjar voos baratos através de outras companhias para os outros aeroportos de Paris. É tudo uma questão de pesquisa e de sorte. Aconselho a comparar sempre. 

Como ir do aeroporto de Beauvais para o centro de Paris 

Apesar da distância é muito fácil. No entanto, vale a pena saber: 

  • poderá ir de táxi ou transferes privados (muito caros) ou de autocarro oficial do aeroporto (o mais barato); 
  • o autocarro oficial do aeroporto termina na estação Porte Maillot no centro de Paris, perto do Arco do Triunfo; 
  • a viagem dura 75minutos; 
  • na zona da estação Porte Maillot, se o seu alojamento ainda ficar distante, poderá apanhar o metro, o autocarro ou o comboio; 
  • O horário do autocarro oficial do aeroporto está coordenado com o horário do voo, tanto o de ida como o de regresso. Poderá consultar os horários no site oficial
  • É recomendado pela companhia aérea regressar no autocarro desde a estação Porte Maillot, pelo menos 3h30min antes do voo de regresso. No site oficial também encontrará o horário recomendado relativamente à hora do seu voo de regresso; 
  • O bilhete pode ser comprado junto ao autocarro (17€ por trajeto) ou no site on-line (15,90€). Nós comprámos on-line  o bilhete de ida e volta sem horário marcado por 29€. Comprar bilhete on-line aqui
  • Se comprar on-line, é obrigatório imprimir os bilhetes que serão enviados para o seu email; 
  • O aeroporto de Beauvais encerra durante a noite, por isso não poderá pernoitar  (aberto das 06h00 – 23h15).

Transportes

A cidade tem uma rede de transportes bem extensa e eficiente e as principais atrações turísticas têm uma estação de metro relativamente perto. O Ticket t+ é o nome do bilhete individual que permite utilizar os principais meios de transporte durante 90 minutos e até trocar de meio de transporte utilizando apenas um bilhete.

Pode ser comprado nas máquinas/bilheteiras das estações dos seguintes meios de transporte:

  • metro;
  • autocarro;
  • tram;
  • RER – comboio (apenas nos que circulam dentro de Paris);
  • funicular de Montmartre.

O preço do Ticket t+ é: 1 bilhete – 1,90€; 10 bilhetes – 14,90€.

Onde ficar

Não gosto muito de indicar alojamentos pois acho que isso depende muito do gosto e da carteira de cada um. Para nós, pode ser o alojamento mais simples do mundo onde o mais importante é que seja limpo, numa zona segura e acessível.

Apesar de já termos ficado em hostels, com o passar dos anos também privilegiamos que o quarto tenha um wc privado. O ideal é ter próximo uma paragem de algum meio de transporte que seja favorável para a visita. Dá imenso jeito.

A pensar nisto tudo, escolhemos o hotel Paris-Bruxelles, muito agradável, boa relação qualidade-preço, bom pequeno-almoço e mais importante, situado ao lado da animada praça République e a um minuto a pé da estação do metro.

O que fazer em Paris

Para começar a inspirar-se pode ver um pequeno vídeo da nossa visita:

Durante anos fui injusta com esta cidade e nem coloquei em questão uma visita. Não sei bem porquê, mas acho que muita gente (incluindo eu) a considera clichê por ser a cidade do amor. E tão errada que estava.

É uma cidade lindíssima e encantadora e pensando bem uma cidade que me diz muito pois alguns dos meus filmes preferidos de infância e adolescência privilegiaram os seus belos cenários. Desde o animador Corcunda de Notre Dame, até ao apaixonante Moulin Rouge, passeando por toda a cidade através do incrível Fabuloso Destino de Amélie Poulain.

Oferece inúmeros lugares a visitar e estas são as minhas sugestões de atividades a não perder:

1.Enamorar-se pela Torre Eiffel (Tour Eiffel)

Paris é muito mais interessante no seu conjunto e não apenas pela Torre Eiffel, mas não há como negar que é o símbolo representativo da cidade e um dos monumentos mais visitados do mundo. E é mesmo bonita.

No fundo, é uma construção de ferro com 324 metros de altura com um design único (apesar das tentativas de mini réplicas) e é impossível não ficar a contempla-la por momentos, de vários sítios e ângulos ao longo da cidade.

Embeleza a paisagem e é perfeita para fotografar (nas redondezas não faltam locais perfeitos), principalmente à noite quando fica toda iluminada e nos presenteia com espetáculos de luzes e brilhos (suspiro chichê!).

Ao longo dos anos, o seu romantismo foi crescendo sendo a opção para testemunha de muitos pedidos de casamentos.

Uma dica: é preferível fotografar a Torre de um ponto mais afastado do que muito próximo, pois como é muito alta é difícil captá-la por completo. Quanto mais próximo, mais turistas irá captar o que pode ser contornado se for de um local mais afastado da torre.

Há 2 pontos perfeitos para ver/fotografar a torre, desfrutar do seu ambiente e o melhor é que são gratuitos:

Campo de Marte (Champ de Mars)

Um extenso jardim aos pés da Torre Eiffel, a maior área verde de Paris. É um local muito tranquilo e bom para caminhar ou fazer uma pausa na visita à cidade.

Durante o Outono, Paris fica pintada em tons dourados pelas suas árvores de tons quentes e pelos tapetes de folhas que em algumas zonas cobrem o chão. O som dos pés a calcar as folhas acompanham a nossa visita.

Junto à Torre Eiffel, onde terminam os jardins do Campo de Marte, encontrará o mítico Carrossel da Torre Eiffel que faz as delícias dos miúdos (e graúdos que se pudessem também alinhavam numa voltinha =)).

Praça/Jardins do Trocadéro (Place/Jardins du Trocadéro)

Atravessando a ponte sobre o rio Sena, em frente à Torre Eiffel, encontramos um bonito jardim com uma fonte e duas escadarias laterais que nos levam a uma praça mais alta onde é possível ter uma vista perfeita para a torre. Um local concorrido para fotografar, mas ainda assim sem muita confusão.

2. Subir à Torre Eiffel

Se não sofrer de vertigens, poderá subir na Torre Eiffel, uma experiência quase obrigatória para todos os visitantes. Aqui fica a informação mais importante para o fazer:

  • três pisos da torre é que são acessíveis aos visitantes, o 1º, o 2º e o último piso;
  • o 1º piso tem um piso de vidro que cria um cenário flutuante sobre Paris e tem restaurantes;
  • no 2º piso, a 115 metros de altura já terá uma vista completa sobre Paris e os seus principais monumentos. Tem lojas, cafés e restaurantes;
  • no último piso a vista sobre a cidade atinge uma altitude com mais de 300 metros que elimina o ruído sonoro e o substitui pelo som do vento. Tem um bar e para desfrutar da vista tem um espaço coberto e um espaço ao ar livre;
  • o preço do bilhete varia consoante o destino pretendido (2º ou último andar) e o modo de subida (escadas ou elevador panorâmico);
  • poderá subir ao 2º andar por escadas através de 704 degraus (10,20€) ou elevador (16,30€);
  • o bilhete para subir ao 2º andar pelas escadas só pode ser comprado nas bilheteiras,
  • poderá subir ao último andar por escadas (até ao segundo andar) + elevador (19,20€) ou diretamente de elevador até ao topo (25,50€);
  • o bilhete combinado para subir de escadas até ao 2º andar + elevador até ao topo só pode ser comprado nas bilheteiras;
  • a fila para comprar o bilhete para subir pelas escadas é bem menor;
  • no site oficial poderá comprar o bilhete de entrada, mas terá que escolher a hora para a visita (ver site oficial).
  • é aconselhável comprar o bilhete on-line com antecedência pois as filas são bem longas e mesmo no site oficial as horas mais favoráveis para a visita esgotam com maior frequência;
  • se comprar o bilhete on-line deverá comparecer na Torre Eiffel (junto aos elevadores ou escadas, consoante a sua compra) com 15 min de antecedência pois não facilitam atrasos, não alteram hora e/ou data e aconselham a levar o bilhete impresso e legível ou no telemóvel;
  • se decidir comprar o bilhete na bilheteira, no site oficial terá acesso aos tempos de espera das filas em tempo real.

3. Contemplar Paris iluminada

À noite, a cidade fica toda iluminada e vai ao encontro do seu apelido de cidade-luz. A cada hora completa, a Torre Eiffel brilha e pisca num verdadeiro espetáculo de luzes para os nossos olhos que pode ser contemplado de vários pontos da cidade.

Vista da Ponte Alexandre III

4. Visitar a Catedral de Notre Dame

Um monumento que queria muito conhecer e que hoje agradeço a oportunidade pois neste momento não é possível visitar a catedral por estar fechada para obras de reconstrução devido ao grave incêndio de que foi vítima em Abril de 2019, que destruiu o seu telhado e o pináculo da torre principal.

No entanto, quero partilhar a nossa experiência por considerar um dos monumentos mais bonitos e carismáticos de Paris, talvez por me remeter para a minha infância e, por vezes, achar que as suas gárgulas possam mesmo ganhar vida =)

Com um estilo gótico, esta catedral foi construída em 1163 e dedicada à Virgem Maria cujo nome significa Nossa Senhora. A entrada na catedral é gratuita e deverá fazê-lo com respeito.

Detalhes da fachada
Interior da Catedral

A sua fachada tem 2 torres com 69 metros de altura. A parte superior das torres estava aberta ao público e era bem concorrida. Foi possível visitar o seu campanário, estar perto das figuras de pedra das diversas gárgulas e ter a vista mais bonita sobre Paris em que é possível ver bem a Torre Eiffel, outros monumentos e as várias pontes sobre o rio Sena.

A vista mais bonita sobre Paris

O acesso às torres era feito pela entrada lateral esquerda (de frente para a catedral) através dos 387 degraus. O bilhete de entrada nas torres custou 10€/pessoa e comprámos nas máquinas junto à catedral onde selecionávamos a hora em que pretendíamos subir, consoante a disponibilidade.

Fomos logo pela manhã e as primeiras horas já estavam ocupadas e já só conseguimos o horário das 11h30. Depois de comprarmos os bilhetes esperamos na praça em frente à catedral e quando se aproximou a nossa hora fomos para a fila da entrada lateral.

Esperemos que o encerramento seja breve mas está estimado para 5 anos.

5. Atravessar a Ponte Alexandre III

Ao longo do rio Sena existem mais de 30 pontes, mas a mais bonita da cidade é a Ponte Alexandre III pelos seus ornamentos dourados, figuras, 4 colunas com cavalos, imensos candelabros vistosos que enriquecem a iluminação e outros elementos decorativos.

Junto à Ponte Alexandre III com vista para o Palácio Nacional Les Invalides, vistoso pela sua cúpula dourada e que abriga o museu do Exército.

6. Percorrer o bairro mais charmoso: Montmartre

Se deseja vivenciar o verdadeiro espírito Parisiense então terá que ir a Montmartre, o bairro mais encantador de Paris, situado numa colina.

Conhecido como o bairro dos pintores, a sua praça principal (Place du Tertre) é uma das zonas mais agradáveis, está repleta de cafés/restaurantes e no centro estão os artistas que demonstram o seu talento e expõem as suas obras para vender. Um ambiente boémio e artístico que não quererá perder.

Para lá chegar poderá subir uma longa escada de 197 degraus ou então utilizar o funicular de Montmartre que está junto à saída do metro Anvers e o preço do bilhete é de um Ticket+.

Perca-se pelas suas ruas estreitas e charmosas e encontrará belos recantos como a La Maison Rose e muito mais.

Junto à praça, numa curta caminhada facilmente encontrará a Basílica do Sagrado Coração (Sacré Coeur) basta seguir a sua enorme cúpula (que pode ser vista de vários pontos da cidade).

Este belo templo sagrado tem uma escadaria central onde poderá descansar com uma boa vista gratuita sobre a cidade. Poderá subir à sua cúpula para contemplar a cidade, mas a opinião mais frequente é que não vale a pena e que há outros locais cuja vista para cidade é mais interessante. No final da escadaria há mais um carrossel.

Outra área de Montmartre mais distinta é junto à Place Pogalle onde reinam os cabarés, destacando-se o famoso Moulin Rouge.

Não é preciso ser fã do filme Moulin Rouge para ter curiosidade sobre este cabaret parisiense que tento marcou a Belle Époque e que hoje em dia ainda continua a atrair milhares de turistas.

Ainda abre as suas portas e os interessados poderão assistir a espetáculos que incluem música, dança, cancan e muitas franjas. Os bilhetes são bem caros e podem incluir o jantar.

Foi o cabaret mais famoso de Paris e destacou-se pelo seu famoso moinho vermelho. Para uma apaixonada pelo filme Moulin Rouge, vê-lo de perto já foi muito bom.

Entre o Sacré Coeur e o Moulin Rouge ainda há 2 sítios deste bairro tão carismático e que merecem uns minutos da nossa visita.

Se viu o filme o Fabuloso Destino de Amélie Poulin então certamente gostará de sentar no café em que a Amélie trabalhava, nem que seja para tomar um café.

Cafe Des Deux Moulins do filme "O Fabuloso Destino de Amélie Poulin"

O cafe Des Deux Moulins já está na rota de muitos visitantes, mas não houve problemas para termos uma mesa livre. Além de café/bar é uma brasserie parisiense, muito típicas pela cidade. São uma espécie de restaurante mais informal que servem refeições básicas e simples.

Uma sugestão, acompanhar o café com um macaron, um doce típico parisiense e que tanto adoro. Não vende macarons, mas na mesma rua poderá comprar na Paul. Não deixe de provar algumas das inúmeras variedades de sabores de macarons.

Outro local que fica de passagem até ao topo de Montmartre é o Le mur des Je t´aime, um muro onde a palavra “Amo-te” está escrita de 1000 formas diferentes e em mais de 300 línguas. Uma obra que inspira ao amor e que talvez faça todo o sentido já que Paris é considerada a cidade do amor.

Le mur des Je t´aime

7. Visitar o Museu do Louvre

Um dos museus mais visitados do mundo e o mais importante do país. É formado por coleções da monarquia francesa e está instalado no Palácio do Louvre que em tempos serviu como residência real.

A porta de acesso ao museu é através da vistosa pirâmide de cristal que veio trazer algum glamour e modernismo à fachada antiga do palácio.

A coleção de obras (cerca de 35 mil expostas) está organizada por temas (orientais, gregas, romanas, egípcias, medievais, pintura, escultura, etc…). A mais procurada é o quadro pintado por Leonardo da Vinci: Monalisa.

Se é fã de arte e museus, aconselham a reservar pelo menos meio-dia para o percorrer. No dia em que fomos para o visitar, este estava fechado ao público por estar a decorrer um evento privado. Toda a área estava cercada de grades e com seguranças e não foi possível aproximarmo-nos do museu.

8. Caminhar pelos Campos Elísios e subir ao Arco do Triunfo

Os campos Elísios (Champs Élysées) são uma extensa avenida de quase 2km com um alinhamento de árvores bilateral, uma das avenidas mais famosas do mundo.

Além de ser muito procurada pelos amantes de compras, também é um dos sítios mais bonitos para passear e caminhar até ao Arco do Triunfo.

Quando começa a anoitecer, o seu movimento de carros e a iluminação pública ao longo da avenida tornam o ambiente mais especial.

Com 50 metros de altura, este monumento mandado construir por Napoleão, também é um símbolo da cidade.

Na sua base encontrará a Tumba do soldado desconhecido que representa os franceses que morreram durante a 1ª Guerra Mundial e nunca foram identificados.

É possível entrar no interior do arco e subir os 286 degraus que levam à parte superior onde terá outra vista impressionante sobre a cidade que merece atenção e evidencia a realidade dos Campos Elísios.

9. Fazer um passeio de barco pelo rio Sena

E por último, mas não menos importante, uma das coisas que mais gostámos de fazer em Paris. Se for do seu interesse, se o tempo estiver favorável e tiver disponibilidade, não pense duas vezes. É lindo e altamente recomendável.

Uma boa forma de passar por alguns dos pontos mais importantes da cidade à margem do rio Sena e que são apresentados durante a visita, passar por baixo de várias pontes e desfrutar deste momento considerado romântico por muitos.

Ponte Alexandre III desde o rio Sena
Vista para a parte lateral e posterior da Catedral de Notre de Dame desde o rio Sena
Ilê de la Cité (ilha da cidade) desde o rio Sena
Museu d´Orsay numa antiga estação de comboios

Comprámos os nossos bilhetes com antecedência no site Get Your Guide porque queríamos garantir o passeio num dia específico e, por vezes, podem esgotar.

Há vários tipos de passeio de barco e para diferentes preços. O nosso ficou por 21€/pessoa com champanhe incluído pois quisemos celebrar uma data especial para ambos. Há bilhetes a partir de 15€ e poderá espreitar as opções aqui.

Enviam os vouchers para o e-mail que têm que ser trocados pelos bilhetes na agência que estará indicada no voucher, assim como, o local de onde sai o barco. O nosso saiu junto à Torre Eiffel, atrás do carrosel, descemos umas escadas que vão ter à margem do rio e conseguimos o passeio à hora que pretendíamos.

Fim do passeio de barco com o pôr-do-sol

Foi realizado no final da tarde propositadamente para coincidir com o pôr-do-sol que confere um tom mais dourado aos edifícios e torna o ambiente mais acolhedor.


Visitámos Paris em 3 dias que foram suficientes para percorrer os pontos mais interessantes e ainda fazer uma visita a uma família do nosso coração (obrigada pela recepção!).

Contudo, há sempre coisas que ficam por fazer e se tivéssemos mais um dia ou outro teríamos incluído o Museu d’Orsay e o Palácio de Versalhes. Já para nem falar numa visita à Disneyland que um dia terá que acontecer (e espero que não demore muito).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s