Viajar com Alma de Viajante

Poderia dizer que descobri a minha alma de viajante quando preparei a minha primeira viagem, pelas inúmeras horas em que fico a olhar para o mapa a imaginar possíveis roteiros e a sonhar acordada, nas imensas pesquisas para agarrar uma boa oportunidade ou pelo facto de já estar a pensar noutra viagem quando ainda tenho uma a aproximar-se. 

Mas não. Acho que foi no momento em que deixei que as viagens me transformassem como viajante, me abrissem os olhos como cidadã do mundo e passei a aprender muito mais com elas do que simplesmente viajar e colocar um visto nos sítios visitados.

Sim, porque realmente é preciso ter uma verdadeira alma de viajante para perceber a mensagem de pequenos momentos em viajem e aprender em contextos completamente fora da nossa realidade do dia-a-dia a valorizar a sorte que temos. E foi um destes momentos que marcou a minha viagem a Bali e fez crescer esta alma de viajante.

Em Bali, para chegar ao templo Pura Luhur Lempuyang, foram mais de 2h de moto desde o nosso alojamento em Ubud. Se o fazia cá? Acho que não. Mas em Bali fiz, no meio de um tráfego de motos e carros completamente desordenado, muito ao estilo “salve-se quem puder”. 

Passamos por caminhos recônditos, campos de arroz, subidas íngremes na montanha e estradas de terra batida. E pelo meio de aldeias mais isoladas foi necessário abastecer a moto, sendo o posto de gasolina, um muro de uma casa à beira da estrada. 
Quando parámos, ainda faltava quase 1h para chegar ao templo e surgiu aquela necessidade básica de ir ao wc.

Não haviam cafés ou restaurantes na zona então perguntei à senhora que nos estava a vender o combustível se tinha wc. Achei que a resposta iria ser não, mas foi um sim acompanhado de um enorme sorriso acolhedor. Pediu aos filhos que me indicassem o caminho e as crianças todas contentes lá me levaram.

Basicamente era um barraco exterior com um tanque de água, um pequeno balde e um buraco no chão. À primeira vista, é impossível não ficar surpreendida pela diferença de realidade, mas na verdade era tudo o que precisava e o que mais me marcou foi a felicidade daqueles estranhos por me receberem na sua casa, com tão pouco, mas ao mesmo tempo deram o melhor de si.

Foi impossível não pensar e re-pensar nesta situação e questiono-me se a situação inversa seria igual e se nós, europeus, faríamos o mesmo! Obrigada Balineses, por enriquecerem a minha viagem com pequenos gestos.

Mais alguma alma de viajante desse lado? Transforma já a tua através da @momondo

#owtravelers  #admomondo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s